BackBack
Previous product
Menina de Huambo Menina de Huambo €6.50 – €13.00
Next product
Depois do Luar Depois do Luar €7.50 – €15.00

Salvar O Sporting

Agosto 2018 - Número de Páginas: 156

LivroLivro
eBookeBook
€13.00
1.Descrição do Livro

Sinopse:

O Sporting Clube de Portugal foi fundado a 1 de julho de 1906. Volvidos mais de cem anos, em matéria de futebol, o Sporting é hoje um dos “grandes entre os grandes” tendo-se instalado acima de tudo, como refere António Maria Coelho de Carvalho, o imperativo de ganhar Campeonatos e Taças. O Clube move multidões, gera fortes emoções mas também uma indesejável irracionalidade, sofrendo altas pressões que conduzem a caminhos de difícil retorno. Porque não confiar que a verdadeira paixão pelo Sporting tenderá a prevalecer sobre momentos negativos, mesmo se de derrotas se tratarem, e ler, cuidadosamente e de coração aberto “Salvar o Sporting”, contributo profundamente sentido de António Maria Coelho de Carvalho, sportinguista desde sempre.

2.Biografia do Autor
António M. Coelho de Carvalho

António Maria Coelho de Carvalho

Nascido em 1928, no Pátio do Marechal, à beira de Alfama, em Lisboa, fez o Liceu no antigo Gil Vicente e passou, de raspão, pelo Técnico em 1946. Sócio do Sporting em 1941, ainda viu jogar o Mourão, o Soeiro, o Pireza e o João Cruz e a equipa dos 5 violinos. Quatro anos no Aeroporto de Santa Maria, como controlador de tráfego aéreo, afastaram-no do Sporting para onde voltou nos finais dos anos 50 para fazer parte do Conselho Geral. Amargurado com a falta de democracia interna e com a demasiada hegemonia que o futebol começava a ter na vida do Sporting, saiu de sócio em 1966. Na mesma altura saiu da TAP, onde era instrutor de “link- trainer” e ingressou no Departamento da Qualidade da Metalúrgica Duarte Ferreira, em Tramagal. Foi director do Tramagal Sport União onde procurou desenvolver o atletismo. Continuou a sofrer pelo Sporting e a criticar as “loucuras” cometidas pelas sucessivas Direcções, mas em 2013 achou que não era correcto criticar sem ser sócio e pediu novamente a sua inscrição. Sportinguista romântico, considera que o papel dos clubes desportivos deveria ser a difusão da educação física e não a alienação induzida pelo futebol-negócio, causa da morte a curto ou médio prazo dos clubes que alimentam o futebol profissional a “alto-nível”... de podridão